segunda-feira, 29 de junho de 2015

Mais uma etapa!

Às vezes até tenho medo do que sinto… Sinto-me tranquila e feliz, apesar de todo o cansaço que os dois últimos meses nos geraram…
Feliz pela relação que temos, pela família que nos rodeia, pela alegria de ver crescer a Leonor. Tranquila também, porque conseguimos concretizar os nossos projetos sem stress (pelo menos financeiramente), enfim, realizada…
Mas cansada, ou melhor, cansados, porque isto de tentar conciliar os trabalhos forçados (obras…) com a nossa vida profissional, é difícil e duro, principalmente quando estamos cerca de 12h fora de casa, o que quer dizer que sobram os fins de semana e as férias para fazer alguma coisa.
Desde o último post, várias coisas aconteceram… Como o Carlos acabou o forno, tratámos logo de experimentar acender, mesmo que fosse só para ver como reagia. E correu muito bem: eram 10h da noite quando acendemos a lenha, esteve para aí uma hora com o lume aceso até fazer brasas, pusemos a porta e aguardámos. Duas horas depois ainda estava muito quente e na manhã seguinte estava ainda quente… Boa, Carlos, conseguiste! És um artista, mesmo…









Entretanto entrámos de férias, fomos até terras de “sua Majestade”, mas o trabalho não parou: o Norberto continuava em nossa casa e, quer antes de irmos de passeio quer depois, lá fizemos a nossa parte: ajudantes de pedreiro, mais pinturas de interior e exterior, canalização, parte eléctrica, arrumar, arrumar, limpar… E tudo isto tem continuado aos fins-de-semana, porque as férias foram só 15 dias…






Mas finalmente temos um páteo com churrasqueira e forno! Tá lindo! E a churrasqueira já foi estreada… Ainda o espaço não estava concluído e já o peixe e a carne passavam “pelas brasas”… No fim-de-semana de 20 e 21, foi a vez de usufruir do espaço com alguns membros da família (quem pôde estar) e diga-se que não se estava nada mal…





Aproveitámos também o facto de termos bom tempo e morar a 15 minutos da praia, para lá ir com a Leonor… Que espectáculo! Pensava eu que ela ia reagir mal à areia, à água… Tudo mentira! Não estranhou nada, comeu areia e bebeu água salgada, dava gargalhadas, muito feliz, por a fazer “voar” por cima das ondas, enfim uma alegria…





Este fim-de-semana, foram mais pinturas exteriores: a parede da sala foi reparada, substituímos a porta de ferro que existia na mezanine por uma janela em PVC e colocámos uma grade que já tínhamos comprado há 2 anos no ferro velho. Depois foi pintar… E pintar, e pintar… Paredes, ferro, madeira, de tudo um pouco… A seguir desmontar os andaimes, limpar e arrumar… Ufa!





Mas valeu a pena… E com mais uma etapa concluída, sentimos a tranquilidade de quem está aos poucos a concretizar os planos que definiu…

Ah! E ainda não acabámos, há mais pinturas de exterior para fazer... E eu, que nem gosto de pintar!

Mena e Carlos

4 comentários:

  1. Olá! :) Estava à procura de tratamentos para tijoleira e felizmente 'tropecei' aqui no blog. Achei curioso as semelhanças entre as nossas casas (que também tem traça saloia) e o processo de reconstrução. Até temos interruptores de luz parecidos.
    Parabéns pelo blog, até breve.

    ResponderEliminar
  2. Olá... Realmente as semelhanças são imensas... Estivemos a olhar para o vosso blog e parecia a nossa historia, com pessoas com menos 20 anos de idade. Tb nós encontrámos uma moeda antiga, tb adoramos pedra, madeira, produtos mais tradicionais. Adoramos recuperação e velharias. Até no gosto pelas revistas espanholas de decoração temos semelhança... A nossa casa é no centro de uma aldeia, mas fica tb perto do mar(10 km). Adorámos o vosso blog, muitos parabéns pelo que tem conseguido e parabéns tb à equipa que vos acompanha ...
    Já agora, a nossa tijoleira foi tratada com óleo de linhaça, a pincel com várias demãos e depois encerada normalmente.
    Vamos continuar a seguir a vossa historia
    Até breve!

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Muito obrigada pelo comentário. Também nós, vaidosos e orgulhosos somos da mesma opinião
      Mena e Carlos

      Eliminar